Arquivo de etiquetas: Death Metal melódico

DEZ DISCO ESSENCIAIS – SEMANA 26

BULLET FOR MY VALENTINE
«Gravity»

Spinefarm Records

Os galeses Bullet For My Valentine foram das primeiras bandas de metalcore a atingirem o estrelato e, mesmo duas décadas depois da sua formação, mantêm a relevância à conta de uma sábia gestão de carreira e poder evolutivo. «Gravity» é o sexto álbum de originais do quarteto e promete não desiludir os fãs.


CRYSTAL VIPER
«At The Edge Of Time» EP

AFM Records

Cerca de um ano depois do último álbum de originais e numa altura em que se sabe que a banda estará em Portugal em Dezembro, os polacos Crystal Viper regressam com um novo EP. Heavy metal clássico continua a ser a proposta, mas em «At The Edge Of Time» a banda arrisca um pouco, com um tema cantado em polaco e duas versões (de Giallo e Quartz), entre dois temas originais cantados em inglês.


FATES WARNING
«Live Over Europe»

InsideOut Music

Os Fates Warning são um dos expoentes máximos do metal progressivo e os seus concertos são testemunhos da exuberância técnica e dotes de composição invulgares que a banda possui. «Live Over Europe» é um disco duplo ao vivo que serve de documento da última digressão que a banda norte-americana fez na Europa. Disponível em edição “normal” e no Mediabook de dois CD que já é tradicional na InsideOut.


MOUNTAINEER
«Passage»

Lifeforce Records

Abram alas para o doom metal/shoegaze dos Mountaineer que, directamente da Bay Area, nos bombardeiam com os sons melancólicos e as emoções fortes contidos no seu segundo álbum, «Passage». Um dos lançamentos mais surpreendentes desta semana.


NECRYTIS
«Countersighns»

Pure Steel Records

Oriundos dos E.U.A. e com dois elementos de Sure’s Idol na formação, os Necrytis são um trio de heavy metal clássico que se estreia em disco com o álbum «Countersighns». A abordagem simples e eficaz destaca-se, assim como a composição honesta e a tendência para os riffs clássicos. Uma estreia auspiciosa de uma banda a seguir com atenção por parte dos fãs de heavy metal sem aditivos.


NONEXIST
«In Praise Of Death» EP

Mighty Music

Os suecos Nonexist praticam thrash/death metal melódico com a autoridade que a sua nacionalidade lhes dá e o talento de terem elementos de Andromeda, Skyfire e um músico (Johan Reinholdz) que toca com os Dark Tranquillity ao vivo. O novo EP, «In Praise Of Death», conta mesmo com um tema em que Mikael Stanne (Dark Tranquillity) e Michael Amott (Arch Enemy) participam como convidados.


SHYLMAGOGHNAR
«Transience»

Napalm Records

Os holandeses Shylmagoghnar surpreenderam a cena quando, em 2014, lançaram o auto-financiado disco de estreia «Emergence», que continha uma mistura quase perfeita de death metal melódico, metal progressivo e black metal. Agora regressam com o sucessor, numa editora grande, e com planos para conquistar o mundo.


THE EVIL
«The Evil»

Osmose Productions

Oriundos de Minas Gerais no Brasil, os The Evil são um quarteto de doom/stoner metal absolutamente negro e obscuro, cujo álbum de estreia homónimo, editado digitalmente pela banda há cerca de um ano, chamou a atenção da influente Osmose Productions. E agora aqui está ele, lançado em CD, vinil e cassete, pronto para ser a banda sonora de rituais vários e “viagens” mais ou menos ácidas.


THE NIGHT FLIGHT ORCHESTRA
«Sometimes The World Ain’t Enough»

Nuclear Blast

Começam a ser curtos os adjectivos superlativos para definir os The Night Flight Orchestra, projecto de AOR clássico gerido por Bjorn “Speed” Strid (Soilwork) e Sharlee D’Angelo (Arch Enemy). «Sometimes The World Ain’t Enough», o quarto álbum de estúdio da banda, é mais uma bela colecção de temas inspirados em Journey e Thin Lizzy que deixarão os metaleiros a cantar refrões.


VANHELGA
«Fredagsmys»

Osmose Productions

Oriundos da mesma escola SDBM dos Shining, os suecos Vanhelga têm tido uma carreira mais discreta, mas nem por isso menos interessante. «Fredagsmys» é o quinto álbum de originais do quarteto e não desiludirá os fãs de nomes como Lifelover, Apaty ou Woods Of Infinity.

NIGHTRAGE: PURISTAS E BRUTALMENTE HONESTOS

Nightrage_logoQuando os In Flames já são considerados uma banda de “rock alternativo” e os Soilwork navegam entre o groove metal e o metalcore, o que resta ao death metal melódico tradicional sueco? A resposta está no som dos Nightrage que, apesar da evolução e crescimento que apresenta a cada novo disco, “defende” o estilo há década e meia e há seis álbuns de originais. O mais recente chama-se precisamente «The Puritan» e foi um óptimo motivo para falarmos ao telefone com o guitarrista grego radicado na Suécia Marios Iliopoulos, fundador e líder do projecto.

Nightrage_Band_2015_1Quanto deste disco é resultado da parceria com o novo vocalista Ronnie [Nyman]? O que acrescentou ele à banda?
Foi uma óptima colaboração. Escrevemos o disco todos juntos e foi uma inspiração para mim poder partilhar a mesma paixão por esta música. Não posso ficar com todo o crédito por tudo. Escrevo apenas as minhas partes e é por isso que gosto de partilhar a responsabilidade da composição com as outras pessoas. Esse é o sentido de estarmos numa banda.

Quando olhas para trás, para o fundo de catálogo dos Nightrage, consegues “ver” quem eras nessas alturas ou os discos são mais do tipo fotos instantâneas das equipa com com trabalhavas nessa altura?
Acho que fazemos aquilo que sempre fizemos. Só que, quando escrevemos um disco novo, é sempre um pouco mais refrescante e actualizamos um pouco a nossa sonoridade. A composição, assim como os compositores, são sempre um pouco mais maduros. Por exemplo, neste disco sabíamos exactamente o que queríamos e se, nas gravações, não obtínhamos exactamente as interpretações perfeitas, repetíamos até termos o resultado pretendido. Mas ao longo do tempo esta banda foi sempre uma irmandade musical, fosse quem fosse que pertencesse ao grupo.

Sofreram algumas alterações na formação em 2013. O que aconteceu exatamente ao Johan [Nunez, baterista], ao Olof [Mörck, guitarrista] e ao Antony [Hämäläinen, vocalista]?
As pessoas enveredam por diferentes caminhos e são livres de fazê-lo. Não levo ninguém a mal por isso, mas aquilo de que estamos a falar aqui é de um caminho musical bastante definido que compreendo que acabe por cansar algumas pessoas. Também é uma actividade muito exigente e um estilo de música que não dá grande dinheiro. Por isso as pessoas acabam por cansar-se ou mudar de vida. Foi isso que aconteceu com o Johan, ao Antony e ao Olof. As pessoas mudam e não podemos prever como uma pessoa vai sentir-se daqui a alguns anos. Claro, podemos trabalhar com uma equipa que parece composta pelas pessoas certas durante algum tempo, mas quando tem tudo a ver com música, criatividade e criar laços uns com os outros, não podemos forçar as coisas. Se deixasse de me sentir inspirado, pararia de tocar nesse mesmo dia.

Nessa fase chegaram a tocar com o Jesper Strömblad, ex-In Flames, como segundo guitarrista. Como foi essa experiência?
Foi óptima. Acredito que o Jesper foi um dos criadores do death metal melódico sueco. Ele é fã dos Nightrage e um bom amigo nosso, por isso quando precisávamos de um guitarrista na altura para dar alguns concertos, ele ofereceu-se. Foi uma óptima experiência. Tocar com pessoas com o tipo de experiência dele é sempre divertido e inspirador. É uma óptima sensação poder partilhar o palco com um músico assim. Senti-me muito bem lá em cima.

Nightrage_Band_2015_3Não tentaste recrutá-lo definitivamente para a banda?
Claro que pensei que seria uma boa ideia, mas por outro lado ele é uma pessoa muito ocupada e nós temos a nossa agenda. Sei que será difícil e nunca se sabe o que pode acontecer, mas nesse período, nessa digressão, tivemos uma das formações mais fortes da nossa história. Tudo o que podemos fazer é certificar-nos que as pessoas que vêm ver-nos têm direito a isso – um dos grupos de músicos mais fortes que podemos dar-lhes – e é isso que acredito que temos agora também. Acho que temos os tipos certos. Mas também teremos a equipa certa se voltarmos a ter o Jesper como segundo guitarrista para mais alguns concertos.

Buscas conscientemente alguma originalidade quando compões música para os Nightrage ou, desde que a música funcione, não te importas muito em escrever riffs, solos e arranjos que nunca foram ouvidos antes?
Não planeio muito aquilo que vou escrever. Nunca planeamos um álbum e dizemos “Vamos fazer um disco mais isto ou aquilo”. Componho aquilo que me vai no coração e tento fazer as melhores músicas possíveis. Conheço bandas que seguem ondas, ou modas, para fugirem à rotina ou à previsibilidade ou o que seja. Mas a minha visão da música é que ela deve ser tão honesta quanto possível. Se escrevermos a música de que gostamos, nunca nos desiludimos a nós próprios ou aos nossos fãs. É essa a base da filosofia dos Nightrage, na minha opinião.

Quando estão lançados a escrever uma canção, nunca se apanham a tocar um riff ou um arranjo de uma das vossas músicas antigas ou de outra banda?
Não posso dizer que nunca tenha acontecido, embora não seja intencional. Por vezes damos por nós a repetir ideias, mas como disse há pouco temos de ver-nos a nós próprios essencialmente como fãs e escrever as músicas que gostamos de ouvir enquanto fãs. E é perfeitamente natural que de vez em quando a nossa escrita “escorregue” para coisas que já foram feitas antes, porque as achamos realmente boas e ficaram gravadas no nosso subconsciente. O que fazemos quando isso acontece é pensar “Será que podemos melhorar este riff?”. Mas é uma coisa normal, quando a nossa inspiração está precisamente ali.

Tens então o mesmo tipo de influências musicais que tinhas quando começaste a banda?
Sim, basicamente. Ainda somos o mesmo tipo de pessoas old school a tentar escrever bons riffs e a divertirem-se tanto quanto possível. O que se passa com as influências é que a maior parte das bandas evita falar delas para poder esconder-se por detrás de uma suposta originalidade, mas desde que sejamos nós próprios não existe qualquer problema em assumir as influências que temos. Desde que sejamos sinceros, a música será boa de qualquer modo, na minha opinião.

nightrage2015band_638Deste ao Ronnie liberdade total para escrever as letras ou compuseste algumas também?
Escrevemos a maior parte em conjunto. O Ronnie é uma pessoa muito capaz mas que também sabe aceitar sugestões e trabalhar em parceria. Passou-se o mesmo também com o [produtor] Daniel Bergstrand, com quem trabalhámos de forma muito próxima nos arranjos das letras e nas vocalizações. Desde que estejam dentro do espectro dos Nightrage, apreciamos todos a criatividade e a originalidade, de onde quer que venha. Isso permite-nos criar algumas coisas muito boas.

O Ronnie trouxe então alguns tópicos novos para as letras?
Sim, totalmente. Trabalhámos essencialmente juntos como te disse, mas existiram umas partes escritas por ele e outras que ele modificou. Ele abordou as temáticas que achou relevantes e, em conjunto, transformámos a abordagem em algo que espelha a personalidade dos Nightrage.

A canção «When Gold Turns To Rust» foi escrita em parceria com o Gus G. [guitarrista de Ozzy Osbourne e Firewind]. Como aconteceu isso?
Não foi planeado. O Gus disse-me um dia que tinha alguns riffs que não encaixavam na banda dele, os Firewind. Então ele enviou-mos e começámos a colaborar naturalmente, enviando ideias para a frente e para trás. Foi assim que acabámos por escrever essa faixa em conjunto. Não foi nada muito planeado. Mas, como sabes, nós começámos esta banda juntos e para mim é muito gratificante que ainda escrevamos coisas em conjunto como nos velhos tempos.

Ainda manténs então uma relação pessoal com ele?
Claro, ele continua a ser o meu melhor amigo, falamos frequentemente e vamos continuar a compor em conjunto no futuro. Vejo-o como um amigo, um grande músico e estou muito orgulhoso de tudo o que ele conseguiu na sua carreira.

nightrage_album-cover_the-puritanManténs contacto com a realidade político-social grega? Qual a tua visão sobre as mudanças que têm acontecido por lá?
Tivemos sérios problemas com a crise económica, mas acho que se trata de uma crise europeia e não exclusivamente grega. Estas recentes mudanças revelam uma real vontade de mudar; é a primeira vez que tentamos resolver os nossos problemas com uma real mudança política. E acho que isso nos dá uma luz ao final do túnel e que vamos sair desta crise mais cedo ou mais tarde. E, se o fizermos, acabamos por passar uma mensagem para o resto da Europa também.

Uma mensagem que diz “Temos o nosso próprio caminho”, certo?
Sim. A Grécia tem estado sob uma enorme pressão da Alemanha e de outros países europeus. Tivemos problemas graves mas acho que, depois de uma crise como esta, apenas podemos crescer. Temos de crescer a sentir-nos orgulhosos do nosso país, temos de crescer à nossa própria maneira. Se continuarmos com o tipo de abordagem que temos tido ultimamente, acho que estaremos no bom caminho.

Não é um pouco ofensivo para um país com a história e o legado da Grécia quando países como a Alemanha lhe tentam dizer o que fazer?
O que sentimos é que isto é uma guerra. Não uma guerra no sentido literal, mas uma guerra económica. Não odeio a Alemanha, é um país simpático… Apenas acho que o seu sistema político está minado por uma série de “tubarões” que tentam predar os países do sul da Europa. Não acho que as nossas centenas de anos de história e o facto de sermos o berço da civilização ocidental nos dê direitos especiais, porque afinal é o que fazemos agora que conta e não o que fizemos no passado. Gosto de saber a história, mas não interessa para o que podemos fazer hoje. Não acho que a Europa em si esteja cheia de gente que queira que o novo governo grego se dê mal; acho apenas que os políticos estão mais focados nos seus próprios interesses do que propriamente em que a Grécia saia desta crise de uma forma sustentada e eficaz. Mas continuo a achar que há esperança e que a tal luz ao fim do túnel está efectivamente lá para toda a Europa. Porque é um enorme erro pensar que este é um problema exclusivamente grego. E um problema também alemão e de toda a Europa. Não é um país que está em jogo… É uma solução para toda a União Europeia.

Sim, tens razão. É toda a dinâmica da União Europeia que está em jogo e não apenas um país “lá em baixo”.
As pessoas têm tendência para olhar para a Grécia como o mau aluno da União Europeia. Mas os nossos problemas são os mesmos de inúmeros outros países europeus. Para além disso, somos credores de uma enorme dívida da Alemanha do tempo da Segunda Guerra Mundial. Por isso temos todos de empenhar-nos em encontrar uma boa solução.

Sim, a Alemanha tem de sair do papel de professora e tem de encarnar o papel de parceira.
Sim, todos os países são parceiros. Todo o projecto europeu foi construído no pressuposto da igualdade, julgo eu. Não de uma liderança, ou de um regime ditatorial. [risos]

Com a indústria musical em constante mudança, alguma vez foste capaz de ganhar a vida apenas com a banda?
Por vezes. Não vou mentir… Por vezes ganha-se algum dinheiro, mas não o suficiente para ganhar a vida apenas com isto. Temos de trabalhar noutras coisas. Não quero ser repetitivo, mas não estamos nisto por causa do dinheiro. O que interessa é a música, a integridade, as canções e os sentimentos que temos. Esse tipo de coisas nunca vai mudar por mais que a “indústria” mude e por mais que as pessoas lá forem comprem ou não os nossos discos, vão ou não aos nossos concertos. Sei perfeitamente que muitas bandas andam nisto apenas à procura de fama e dinheiro, mas esse é um estilo de vida muito falso. Eu só quero tocar a música de que gosto… Se for preciso ir pela estrada mais difícil para chegar lá, claro, vamos a isso. Porque é mesmo isto que quero fazer na minha vida.

Tens então de procurar por vezes alguns trabalhos fora da música que te ajudem a sobreviver.
Sim, não estou nisto para ficar rico, mas o trabalho serve apenas para sobreviver. Por causa da música já desperdicei algumas boas oportunidades profissionais, porque tinha de ir em digressão, de compor ou de gravar. Não me importo com isso. Desde que tenha comida em cima da mesa e possa pagar as contas, estarei satisfeito. Sei de pessoas que querem poupar ou acumular uma pequena fortuna… Não me importo nada com esse tipo de coisas. Sinto-me rico nos Nightrage. Apesar de ser literalmente pobre, os Nightrage são uma satisfação pessoal tão grande que me sinto a pessoa mais rica do mundo.

Esse tipo de atitude retira a pressão de terem de fazer dinheiro com as digressões e com as vendas de discos, certo?
Exacto. Não me importo mesmo nada com isso. [risos] Tento sempre fazer o melhor possível, mas quando se fala de vida de rock’n’roll, sei bem o que significa. Sou paciente e estou disposto a trabalhar sempre mais e a nunca ser rico. E isso não significa que nunca tenha sucesso, porque enquanto compositor sinto que já cheguei ao sucesso. E claro que quero chegar à fama, mas quero chegar lá nos meus próprios termos. Não quero chegar lá a vender-me, a fazer música de merda que odeio. Prefiro fazê-lo pouco a pouco, com os conhecimentos que vou obtendo e as pequenas vitórias que vamos contabilizando. E se o sucesso global nunca chegar, bem, pelo menos divertimo-nos a tentar.

Sim porque quando acabar – e um dia vai tudo acabar – é o legado musical que fica, certo?
Exactamente. Quando eu estiver morto, talvez ainda existam algumas pessoas que descubram a nossa banda e os nossos discos e os apreciem. É uma espécie de marca que deixamos para sempre e que sobreviverá muito para além de nós. É por isso que o sucesso comercial não me diz muito… Para mim esta actividade tem tudo a ver com fazer aquilo que nos parece certo. E acho que estamos a fazer isso com os Nightrage.

Estás sempre assim tão motivado ou por vezes, quando estás à espera quatro horas num aeroporto por exemplo, existem períodos em que não estás tão contente com esta actividade?
Existem sempre alturas em que as coisas não correm bem e em que temos algumas dúvidas. Colocar este álbum cá fora teve alguns períodos desses, porque cada novo disco é como se fosse um filho e sempre que as coisas não correm tão bem quanto o previsto, bate-nos mesmo no mais fundo dos sentimentos. O processo de criar um disco é globalmente bom, mas há sempre a incerteza se vamos fazer um bom álbum, o certificar-nos de que temos o material certo, as canções certas… Foi também por isso que demorámos um pouco mais do que o habitual a editá-lo. Tivemos alguns problemas na formação, eu tive de mudar-me de novo para a Suécia… Todas estas coisas são factores de incerteza que nos perturbam. Mas senti-me muito bem durante a composição e, quando tenho esse tipo de sentimentos na fase criativa, ando sempre muito feliz.

Tens de lutar conscientemente contra a tentação de escrever apenas canções em “piloto automático” ou este tipo de abordagem musical sempre refrescante é algo natural em ti?
Não quero definitivamente entrar em piloto automático e é por isso que sinto que tenho de estar constantemente a desafiar-me a mim próprio. Não quero apenas lançar outro disco dos Nightrage… Quero que seja uma coisa excitante, refrescante e desafiadora. Sempre que fazemos um novo álbum sentimos isto enquanto grupo, enquanto banda. Esta foi a primeira vez que gravámos todos juntos, ao vivo em estúdio, e foi óptimo. A música flui ali, com uma energia e uma espontaneidade incríveis.

É talvez por isso que não tens uma série de projectos paralelos como muitos músicos têm. Porque tudo o que tens aplicas nos Nightrage, certo?
Sim, não quero saber de projectos paralelos. Porque se gastamos a nossa energia – mesmo que seja apenas parte dela – noutras coisas, ela não vai para o nosso foco principal, faltará ali. É por isso que tudo o que tenho, tanto em termos de inspiração como de tempo, quero dar aos Nightrage. Porque me sinto genuinamente bem nesta banda e sinto que é definitivamente uma banda e não um projecto a solo meu. Sempre tive problemas na formação, com pessoas que escolhem seguir por outro caminho, mas não posso fazer nada em relação a isso. [risos]

«The Puritan» foi editado em Abril pela Despotz Records.
Site oficial

NOVOS LANÇAMENTOS: VAI SER UM VERÃO QUENTE

Nile_Band_2014Longe vai o tempo em que o Verão era uma altura morna para novos lançamentos discográficos. A maior ligação das pessoas à internet, com dispositivos mais portáteis, aliada a uma cada vez mais presente mudança na forma como a música é consumida, faz com que o Verão seja uma altura igual – ou mesmo melhor, se pensarmos no dinheiro extra, de subsídios de férias, que anda a circular – para lançar disquinhos das bandas preferidas das pessoas.

Por isso, entre 21 de Junho e 21 de Setembro vai ser um festim de coisas boas a chegarem. Logo no inicio da estação, vamos ter o regresso de dois nomes veteranos dentro de dois estilos díspares: os Virgin Steele editam «Nocturnes Of Hellfire & Damnation» e os heróis do hardcore nova-iorquino Pro-Pain regressam com «Voice Of Rebellion», o seu décimo quinto álbum de originais em quase 25 anos de carreira. Junho dará ainda tempo para discos novos da bandas brutas como Milking The Goatmachine, Jungle Rot ou Thy Art Is Murder. Os suecos Refused editam «Freedom» e darão certamente um grande Verão aos fãs de punk/hardcore, enquanto que os norte-americanos Abnormal Thought Patterns vão tentar provar as boas indicações do metal progressivo, técnico e instrumental que apresentaram no disco de estreia.

Julho será um mês em cheio. Entre lançamentos ao vivo de bandas como Yes, Death Angel, Dragonforce ou U.D.O., destacam-se «Coma Ecliptic» dos Between The Buried And Me, «Of Ghosts And Gods» dos Kataklysm e «Underworld» dos Symphony X. Os heróis do crossover finlandês Waltari regressam também às edições com «You Are Waltari», enquanto que os misteriosos Locrian lançam mais uma bomba de drone experimental chamada «Infinite Dissolution», mais uma vez pela Relapse. Os Bone Gnawer editam o muito aguardado sucessor da estreia «Feast Of Flesh», enquanto que Gus G, guitarrista de Ozzy Osbourne, aproveita as “férias” que tirou de Firewind para facturar mais um disco em nome próprio, chamado «Brand New Revolution».

Finalmente, em Agosto haverá 11 discos essenciais. Do lado mais bruto do metal, os Nile (na foto) editam «What Should Not Be Unearthed», os Cattle Decapitation disparam com «The Anthropocene Extinction» e os Hate Eternal disponibilizam «Infernus». Os suecos Backyard Babies regressam às edições com «Four By Four» e no mesmo país os Ghost lançam «Meliora» e os Soilwork respondem com «The Ride Majestic». Quem gosta de death/thrash dinâmico e moderno não pode também perder a nova proposta dos Battlecross, chamada «Rise To Power». Do lado do hardcore há a novidade dos Terror, intitulada «The 25th Hour». Restam as novidades de Fear Factory («Genexus»), Bullet For My Valentine («Venom») e Stratovarius («Eternal») para completar um dos mais “quentes” meses de Agosto dos últimos ano.

Setembro, mais concretamente no dia 11, é o mês em que os Slayer entregam ao mundo «Repentless», o seu novo álbum de originais. Posto isto, valerá mesmo a pena destacar mais alguma coisa para o final do Verão?

Pyrexia_MisantropiaExtrema_468x60

THE TEMPLE, HEIMDAL E MAIS GENTE DE PESO EM VISEU EM JULHO

TheTemple_Video_2015Os veteranos The Temple (na foto) vão encabeçar o cartaz deste ano do Viseu Rock Fest, que acontece na ASDRAQ, na Quintela de Orgens, no dia 25 de Julho. A banda de groove thrash lisboeta editou apenas dois álbuns de originais em mais de duas décadas de carreira (o terceiro está a “vestir-se” na Dinamarca neste momento), mas os seus (raros) concertos são sempre energéticos e dinâmicos. Dos Estados Unidos chegam duas bandas de grindcore para dar peso a Viseu: os reactivados Hemdale e os libertinos Nak’ay. De Espanha chegam também duas propostas bem válidas: os Bloodhunter com o seu death metal melódico de vocalizações femininas e os Mind Holocaust, num registo de death metal brutal mais tradicional. O contingente nacional fica completo com os Serrabulho, Mr. Miyagi, The Black Wizards, The Last Of Them, Stone Dead e Fuck 77. O evento começa às 16.00h e os ingressos custam Eur 10,00 em venda antecipada (Eur 12,00 no próprio dia) e podem ser reservados aqui:

Pyrexia_MisantropiaExtrema_468x60

NIGHTRAGE

Nightrage_ThePuritanNIGHTRAGE
«The Puritan»
Despotz Records
8/10
É perfeitamente audível na música e visível nas actuações ao vivo que os Nightrage amam a música que fazem. A constante motivação e o aperfeiçoar da sua receita de death metal melódico a cada novo disco que editam é, assim, uma consequência perfeitamente natural da evolução e crescimento da banda. Mesmo que a formação sofra frequentemente remodelações que fazem com que o guitarrista Marios Iliopoulos seja, por esta altura, o único elemento fundador que resta. Não que ele se importe porque, como «The Puritan» mostra, o músico ainda tem canções que cheguem dentro dele para fazer grandes discos de death metal melódico de contornos clássicos. E é isso que esta sexta proposta do grupo greco-sueco é: um álbum do som de Gotemburgo como ele era por altura de «The Jester Race», embora devidamente polido e actualizado para níveis de produção, dinâmica e musicalidade verdadeiramente contemporâneos. Ainda assim, não esperem dos Nightrage nada que os In Flames não fizessem por essa altura, mas também não esperem uma qualidade inferior. Ou seja, se querem o vosso death metal melódico como se 2015 fosse 1995, não vão mais longe: «The Puritan» é o álbum perfeito para vocês, com os riffs, as passagens acústicas, as vocalizações, as melodias e os solos de guitarra necessários para fazerem um conjunto de canções deste género funcionarem na perfeição.

Pyrexia_MisantropiaExtrema_468x60

WE BUTTER THE BREAD WITH BUTTER

WeButterTheBreadWithButter_WiederGeinWE BUTTER THE BREAD WITH BUTTER
«Wieder Geil!»
AFM Records
7/10
Aparentemente, não correu bem aos alemães We Butter The Bread With Butter a incursão por uma editora multinacional e a ascensão ao super-estrelato. Apesar da intensa exposição, o seu álbum de 2013 «Goldkinder» não fez o crossover para o grande público, não passou do 27.º posto na tabela de vendas caseira e, pior, enfureceu os fãs da banda com uma abordagem mais claramente pop ao metalcore electrónico que era a sua imagem de marca. Agora «Wieder Geil!» dá um claro passo atrás e volta a colocar mais peso na música do projecto, mas procura também variedade e soluções sónicas renovadas para a receita musical do colectivo. Em consequência, «Wieder Geil!» é um trabalho bem mais dinâmico e excitante do que o seu antecessor, e também aquele em que o cantor Paul Bartzsch dá mais uso a toda a versatilidade da sua voz, socorrendo-se para isso do alemão mas também ocasionalmente, de letras em inglês. Para quem precisa disto traduzido por miúdos, imaginem uma banda a ir da sonoridade dos Sonic Syndicate à dos Milking The Goatmachine, com paragens em Rammstein e em Mindless Self Indulgence, numa questão de segundos. Com a coerência possível, a energia da juventude e a honestidade reencontrada de quem tentou chegar demasiado depressa ao último degrau da escada e se esbardalhou dali a baixo. É a isso que soa.

Pyrexia_MisantropiaExtrema_468x60

VENOM INC. E VADER EM CORROIOS EM SETEMBRO

VenomInc_Band_2015No dia 26 de Setembro o Cine-Teatro de Corroios recebe em concerto os Venom Inc., banda fundada por três importantes ex-elementos dos Venom: Mantas (guitarrista da banda entre 1979 e 1985, depois entre 1989 e 1992 e ainda entre 1995 e 2002), Demolition Man (baixista e vocalista que pertenceu ao grupo entre 1989 e 1992) e Abbadon (baterista entre 1979 e 1992 e, depois, entre 1995 e 1999). O trio interpretará, como não podia deixar de ser, clássicos dos Venom escritos e gravados nos períodos em que os músicos pertenciam à influente banda inglesa, nomeadamente entre 1988 e 1992.

Com eles, os Venom Inc. trazem os polacos Vader, que dispensam apresentações em termos de death metal mas que, nesta digressão, tocam um set especialmente old-school, com temas apenas dos anos 90. Os jovens ingleses Divine Chaos, praticantes de um death/thrash metal melódico e que partilham o baterista James Stewart com os Vader, assim como os veteranos speed-thrashers franceses Witches, completam o cartaz. O espectáculo começa às 20.00h e os bilhetes custam Eur 20,00 se comprados antecipadamente ou Eur 22,00 no próprio dia. Estão disponíveis na Carbono da Amadora, na Glam-o-Rama, na Abep e na Androm ou podem ser reservados através deste e-mail.

Pyrexia_MisantropiaExtrema_468x60